Kami no Sensou – Gardênia (Volume 6: Capítulo 2)

Em pouco tempo o treino diário de artes marciais de Masaya começaria, mas ele se encaminhava adiantadamente até Yan Quon. Era com ele que Masaya buscaria respostas.

Antes de chegar até o campo de treinamento, Masaya cruzou com Daisuke.

“Masaya, precisarei de você hoje.”

“Tio Daisuke?”

Ao ouvir seu chamado, Masaya olhou para Daisuke, expressando um pouco de pressa.

“Teremos uma festa para ir hoje a noite, precisarei que tome conta da Ryoka para mim. Tudo bem por você?”

Era um pedido simples, mas que dada a situação atual de Masaya e Ryoka, se tornava muito mais complexo do que Daisuke poderia imaginar.

“… Sim, claro.”

“Obrigado. Contarei com você.”

Daisuke agradeceu e colocou a mão na cabeça de Masaya antes de se retirar.

Ryoka… Huh, tenho que ir de uma vez.

Voltando a se focar no seu objetivo, Masaya foi até Quon.

 

“Mestre, tem um momento?”

“Umu.”

Conseguindo a confirmação de Quon, Masaya pensou em como perguntar o que queria.

“Mestre… O que fazer quando alguém perde o propósito para lutar? O que fazer quando você não consegue destruir a parede diante de você?”

“Hmm…”

Quon, que até então estava olhando para a distância, finalmente se virou e olhou para Masaya diretamente.

“Lute por sua família, Masaya. Assim como por aqueles que são preciosos para você.”

A resposta de Quon irritou um pouco Masaya. Seu mestre claramente não entendia sua situação…

“Nem sempre as coisas funcionam dessa forma! E se você for forçado a lutar?! E se você não tiver uma família?!”

Deixando seus sentimentos fluírem para fora, Masaya levantou o tom de voz.

Quon fechou os olhos e esperou o jovem se acalmar.

“Você está se perdendo, Masaya. Deixar os sentimentos negativos serem a fonte dos seus movimentos servirá apenas para te cegar e eventualmente leva-lo a autodestruição. Lute pelos sentimentos positivos, pela sua família. Nós humanos instintivamente tentamos criar laços uns com os outros, por isso, a não ser que você se isole do mundo, sempre existirá pelo menos uma pessoa que se importa de verdade com você. Essas pessoas que tentam de verdade conseguir um espaço nos nossos corações—É o que significa “Família”. Não são só os laços sanguíneos que formam uma família, mas também os laços emocionais.”

Dando uma leve pausa no discurso, Quon continuou.

“Masaya, quando eu digo para lutar por sua família, isso também significa lutar por você mesmo. Pense, alguém que se importa muito com você ficará triste caso você sofra, talvez essa pessoa até tente lutar por você para te ajudar. É por isso que lutar pelos outros também pode significar lutar para se proteger. Nesse momento parece que você está falhando nesse ponto, mas você ainda pode mudar isso.”

“…”

Masaya não tinha palavras para responder a visão de Quon. Mas definitivamente mudou algo dentro dele.

“… Obrigado, Mestre!”

Se curvando para Quon, Masaya se virou e se retirou.

 

Talvez realmente seja melhor esquecer tudo isso e seguir em frente…

Sentado no fim da cidade, Masaya olhava em direção ao mar e o horizonte. Não havia nenhuma praia ou algo do tipo, por isso, se ele pulasse dali cairia direto na água.

O vento ia e vinha constantemente, o que criava uma atmosfera tranquila e relaxante.

Repentinamente ele sentiu algo gelado no rosto e olhou para trás.

“Agir assim não combina com você.”

Ryoka estava ali, encostando um picolé no rosto de Masaya. Ele pegou o picolé e olhou para o horizonte novamente.

“Você poderia não mais machucar a si mesmo?”

“Huh?”

O comentário de Ryoka, que estava de pé do lado dele, o deixou confuso e o fez olhar para ela.

“Toda vez que eu o vejo machucado, física ou psicologicamente, sinto como se meu corpo estivesse sendo perfurado constantemente…”

“…”

“Se realmente estiver precisando de ajuda, pode sempre contar comigo!”

Tentando suavizar a atmosfera, Ryoka deu o sorriso mais espontâneo que conseguiu.

Ah…

Está certo… Essa garota também pode ser considerada minha “família”.

Famílias não são formadas apenas por laços sanguíneos, mas também por laços emocionais.

“Desculpe. Irei me cuidar mais a partir de hoje. Embora não possa prometer que não vou me ferir caso seja uma situação sem saída.”

“Masaya… Obrigado!”

Ryoka, bem feliz, se jogou em Masaya e o abraçou. Um forte sentimento tomou conta do seu peito ao ver Masaya voltando ao normal.

“Ei! Você vai me derrubar no mar!”

Apesar das reclamações, Masaya não desgostou da situação. Pela primeira vez em muito tempo ele sentiu uma leveza no peito.

Ah… O melhor é deixar tudo isso para trás mesmo.

Tomando sua decisão, Masaya finalmente conseguiu sorrir de verdade.

 

 

Apesar de tudo, o destino parecia não estar do lado de Masaya naquele dia.

Ele terminou de vestir suas roupas de guarda-costas, o que parecia mais um cosplay do que realmente uma roupa de trabalho em uma criança como ele.

Seu próximo passo foi ir conferir se Ryoka estava pronta.

“Ryoka, já terminou de se arrumar? Não podemos nos atrasar.”

Batendo na porta e chamando por ela, Masaya aguardou por uma resposta, mas não recebeu nenhuma.

“Ryoka?”

Ele bateu mais duas vezes, agora com mais força.

Estranhando a situação, ele colocou o ouvido na porta para tentar ouvir algum som, mas não conseguiu escutar nada.

“Estou entrando.”

Decidindo dar uma olhada no quarto, Masaya colocou a mão na maçaneta.

Talvez por estar muito em paz consigo mesmo, ele por algum motivo se lembrou de como em animes e mangás de comédia romântica, situações assim sempre levam a cenas inusitadas.

Mas ao abrir a porta—

Ele se lembrou que vive uma história de um gênero diferente.

A janela aberta foi a primeira coisa que chamou a atenção de Masaya. O quarto estava todo em ordem.

Inspecionando direito, ele encontrou um bilhete.

“Não se preocupe, Masaya. Como uma aliada da justiça, eu salvarei o seu pai!

– Ryoka”

Naquele momento, Masaya congelou.

De tantas e tantas possibilidades, havia uma que ele não parou para considerar—Ryoka tentar resolver tudo sozinha… Novamente.

O motivo para ele não ter parado para pensar nisso era bem simples. A realidade da [Guerra Divina] ainda não havia atingido ele… E muito menos ela. Lutar um contra outros [Avatares de Deuses] até a morte, algo que inevitavelmente eles teriam que fazer, nunca passou pela cabeça de Masaya que Ryoka participaria de algo brutal como isso.

Sem perceber, Masaya estava amassando o papel violentamente.

Sem pensar duas vezes, ele saltou pela janela, torcendo para não ser tarde demais.

Talvez ele estivesse sendo presunçoso demais, mas graças a derrota humilhante que ele sofreu antes, Masaya simplesmente assumiu o pior para Ryoka também.

Maldição… Maldição… Maldição!! Porque!!

Enquanto estava no processo de aceitação com o que aconteceu com o seu pai, ele acaba tendo que passar por isso. Se ele perder Ryoka também—

Viajando pela cidade a uma velocidade absurda, ele procurou incessantemente. Quanto tempo já se passou? 1 minuto? 2? Talvez pareça pouco tempo, mas para alguém na velocidade que ele estava viajando, era tempo até demais.

Eis que repentinamente todas as cores do mundo se inverteram.

“…!”

Finalmente! … Ryoka!

Agora dentro da [Dimensão Reversa], Masaya procurou por Ryoka.

Felizmente a dimensão não era muito grande, então encontra-la foi uma tarefa bem simples.

Mas—

“Ora ora, o que temos aqui?”

“… Vocês…”

Ao ouvir a voz da garota de cabelo violeta, o cérebro de Masaya começou a processar a situação lentamente. Ela estava levantando o corpo caído de Ryoka pelo cabelo quando parou o que estava fazendo para olhar na direção de Masaya.

Perto dela estava seu parceiro com sua grande espada—Zinon.

Ryoka estava coberta de ferimentos e lágrimas escorriam pelo seu rosto, limpando algumas manchas de sangue no caminho.

“Ma… Masaya… Corra…”

Ryoka tinha dificuldades para falar, mas conseguiu dizer o que queria.

Corra? Corra?!

Ele não conseguiu acreditar no que ele havia acabado de ouvir.

Corra… Corra. Corra. Corra. Corra. Corra. Corra. Corra. Corra. Corra. Corra. Corra. Corra.

Ah……

Masaya olhou para o chão, e viu seus pés equipados com um par de botas douradas com pequenas asas nos calcanhares.

É isso que eu posso fazer? É só disso que [Hermes] é capaz? Correr?!

Ele notou que sua própria existência como um [Avatar de Deus] estava errada. Ele queria proteger, lutar por quem ele preza, por sua família. Mas… Ele é apenas um mensageiro, no fim das contas. A pessoa que deveria lutar pelos outros está ali, no chão.

Acalme-se.

Masaya deu um passo adiante.

“Hmm?”

Em resposta a ele, Zinon também deu um passo adiante e preparou sua espada de duas mãos.

“Não o mate, Zinon. Quero testar onde fica exatamente o limite da mente dele, hehe.”

“Entendido.”

Masaya não conseguiu se dar ao luxo de ligar para o que Antonia estava dizendo.

Toda a euforia de antes desapareceu.

Ou melhor dizendo, ela foi escondida. Seguindo os conselhos do seu mestre, emoções negativas são apenas mais um obstáculo em uma luta.

“Vamos lá, cara, não me decepcione dessa vez!!”

Fazendo um forte movimento horizontal, Zinon nem precisou sair do lugar para atacar Masaya. A rajada de energia que voou na direção dele era perigosa por si só, mas a onda de impacto que a acompanhava também era.

No entanto—

“Huh?!”

Antes de Zinon completar o movimento do seu ataque, Masaya já havia se movido para trás dele.

Por isso, não havia como ele se defender do ataque de Masaya, que acertou um chute certeiro na cabeça dele, o jogando para longe.

Zinon se levantou rapidamente, com um pouco de sangue no canto da sua boca.

“Agora está falando minha língua!”

Segurando a sua espada com uma única mão e a puxando para trás como se fosse a linha de um arco, Zinon preparou um ataque que Masaya já havia visto.

“HAH!”

Dando uma poderosa estocada no ar, todo o espaço na frente dele se distorceu. Mas—

“Muito lento!”

Masaya novamente já estava atrás dele.

Dando um chute com toda a forte nos calcanhares do oponente, ele conseguiu derrubá-lo. Mas antes de cair de costas no chão, Masaya ajudou a gravidade socando o estomago de Zinon com todas as forças e explodindo o chão no processo.

Ele saltou para trás e esperou o inimigo se levantar. Através da cortina de fumaça, Masaya via apenas a silhueta dele se levantando.

“Huhuhu…”

Assim que a fumaça se dispersou, o rosto sorridente de Zinon foi revelado. Sangue e saliva escorriam pelos dois cantos da boca enquanto ele segurava a espada com uma das mãos e o estomago com a outra.

“… Muito bom. Eu estava mesmo querendo testar a fúria da [Durga] em alguém. Você é a cobaia perfeita!”

Durga. Deusa guerreira da mitologia Hindu. Um aspecto guerreiro da Devi Parvati com 8 braços, cavalgando em um leão, carregando armas e assumindo mudras, ou gestos simbólicos com a mão.

Os olhos de Zinon se tornaram vermelhos e começaram a brilhar fortemente.

“Vamos continuar.”

“…”

Repentinamente, a tensão da atmosfera aumentou em 10 vezes.

Zinon saltou e segurou sua espada como se fosse um arpão. A espada começou a brilhar e mudou de forma.

“[Rudra]!”

Se tornando um tridente azul, ele jogou a arma em direção a Masaya com toda a força.

A velocidade do arremesso era assustadora, mas ainda não era o bastante para ultrapassar a velocidade de Masaya, que saltou e desviou do ataque em cima da hora.

Porém—

“Isso é—!”

Incontáveis raios começaram a sair do tridente e do solo ao redor dele, indo do chão para o céu. Era como se estivessem no meio de uma tempestade , com o céu e o chão tendo os lugares trocados.

O ataque repentino pegou Masaya de surpresa, que só conseguiu se defender enquanto via raios rasgarem algumas partes do seu corpo.

Graças ao dano, Masaya não conseguiu aterrissar direito e caiu capotando no chão.

Antes que conseguisse se levantar, ele viu o tridente começar a brilhar novamente e tomar um formato circular.

Um chakram—!

O chakram voou até a mão de Zinon, que o pegou e o jogou em direção a Masaya.

“[Vishnu]!”

Apesar de ter conseguido se esquivar a tempo, o chakram continuou perseguindo ele sem parar. O alvo era especificadamente o pescoço de Masaya.

Se isso me acertar…!!

“Corra! Corra! Hahaha!”

A provocação de Zinon chegou até o ponto mais profundo de Masaya.

Me dizendo para correr novamente…

Ele parou e encarou a direção em que o chakram vinha.

Isso é algum tipo de piada?!

Essa não é minha única arma!

Masaya atingiu o chakram com a sola da bota.

O sorriso da certeza da vitória chegou ao rosto de Zinon.

Ele tinha certeza que tentar parar o chakram seria suicídio.

Mas—

O barulho de vidro se quebrando ecoou pela área. O chakram foi partido em milhares de pedaços.

“Como?!”

Zinon não conseguiu esconder o choque ao ver sua arma destruída.

“Desculpe, mas acho que eu sou um trapaceiro divino.”

Existe um motivo por trás do evento que acabou de ocorrer, mas é muito arriscado deixar os inimigos ficarem sabendo dele.

“Huh!”

Se movendo a uma velocidade ainda maior, Masaya apareceu diante de Zinon dando uma joelhada no estomago dele com toda a força, exatamente no mesmo ponto que havia atingido antes.

Zinon foi jogado para longe, capotando no chão e parando apenas na parede invisível do limite da [Dimensão Reversa].

Ele é muito mais lento que eu, graças a sua espada de duas mãos, ele era capaz de se defender dos meus ataques… As variações de armas foi uma surpresa, mas embora o poder destrutivo dele tenha aumentado muito, sua defesa foi sacrificada no processo.

Se ele não usar a espada, eu posso continuar atingindo ele constantemente. Mas se ele usar a espada, ele não poderá me atingir. Xeque-mate.

Zinon se levantou e recriou sua espada de duas mãos. Ele segurava seu estomago enquanto agonizava de dor.

Desculpe, mas… Eu já tomei minha decisão. Sairei daqui com a Ryoka custe o que custar!

Masaya avançou com toda a velocidade em direção a Zinon.

Um dos combatentes moveu sua espada para tentar afastar o oponente enquanto ele estava longe, mas o outro respondeu indo para o céu e evitando a onda de impacto.

Usando o “teto” da [Dimensão Reversa] como impulso, Masaya se aproximou rapidamente de Zinon, que usou a espada para se defender.

Ele evitou o dano, mas por estar segurando com apenas uma das mãos, foi jogado para trás e bateu novamente no limite da [Dimensão Reversa].

Com um braço só, você não—

Se movendo para atacar novamente, Masaya notou seu erro tarde demais. O sorriso no rosto de Zinon mostrava evidência do momento em que a luta mudava de rumo.

Puxando seu braço para trás como a linha de um arco—

Masaya parou seu movimento forçadamente, mas era tarde demais.

Um ataque de área que destrói tudo que está no caminho.

Da última vez, Masaya se esquivou do ataque se movendo para trás de Zinon, a única área segura.

No entanto—Ele se encontra atualmente no limite da [Dimensão Reversa]. Não existe meios para se mover para trás de Zinon nesse momento.

O que significa…

A estocada de Zinon lançou uma catastrófica onda de impacto, Masaya só pode usar os braços para se defender e tentar resistir ao dano.

“U-UUUAAAAAAAAAAHHHHHH!!!!”

Todo o solo sendo despedaçado e a atmosfera tremendo, Masaya foi engolido pela onda de impacto e jogado para longe.

“Masaya!!”

Ryoka gritou por ele. Ela queria poder fazer algo, mas no momento era impossível.

“Aah… Ahhaahh…”

Masaya se levantou lentamente. Sangue escorria pela sua cabeça. Todo seu corpo estava dolorido. Sua roupa estava totalmente desgastada.

“KAH…”

Quando conseguiu se levantar, ele tossiu sangue. Seu corpo estava totalmente ferido não só por fora, mas por dentro também.

“… Huh?!”

Antes de conseguir recuperar o fôlego, Masaya viu Zinon se preparando para lançar seu ataque novamente.

Eu…

A distância entre eles era enorme.

Naquele momento uma certa ironia da vida o atingiu.

Só há um jeito de evitar o próximo ataque e eventualmente a total derrota.

O que ele tanto rejeitou pouco tempo atrás agora voltou para pegar no seu pé.

Existem certas coisas na vida que você só precisa aceitar que são do jeito que são.

Masaya se preparou para avançar.

Parar de tentar nadar contra a maré, achando que é a única solução viável. Diante de uma situação de risco, Masaya foi forçado a mudar algo dentro de si.

Masaya…

Falando consigo mesmo, ele avançou.

Corra!

Correr nem sempre é algo com conotação negativa.

Zinon estava no meio de concluir seu ataque.

Corra! Mais rápido! CORRA!!

Mais rápido que o som. Mais rápido que a luz.

Mesmo aquela distância tão grande entre os dois não seria um empecilho. Não importa a distância, as barreiras ou qualquer que seja o obstáculo. Como o deus mensageiro, transgredir todas as fronteiras não é uma possibilidade, é uma obrigação!

Como se o tempo tivesse parado, Masaya conseguiu alcançar seu inimigo. Seu punho atingiu pela terceira e última vez o estomago de Zinon. Por estar logo na frente do limite da [Dimensão Reversa], o corpo de Zinon foi imprensado pela parede invisível e o ataque de Masaya, multiplicando ainda mais o dano. Sentindo suas entranhas quase saírem pela boa, Zinon apenas cai no chão sem forças para fazer mais nenhum movimento.

“Haa… Haa…”

A luta acabou.

Ao menos a luta contra Zinon.

“Huh?!”

Sentindo uma presença se aproximar, Masaya saltou para trás.

Só então ele ouviu o som das palmas se batendo.

“Oooh, incrível. Ver como sua mente funcionava naquela situação foi a coisa mais incrível que eu já presenciei!”

Antonia abriu os braços e expressou toda sua felicidade.

Ela se aproximou de Zinon que estava caído e se abaixou.

Levantando um pouco o corpo dele, ela percebeu que ele ainda estava consciente. Ele provavelmente não conseguia sequer falar, mas não importava para ela.

“Você cumpriu bem o seu papel, Zinon.”

Antonia então aproximou seu rosto beijou os lábios dele como se fosse a coisa mais natural do mundo.

Por um segundo tanto Zinon quanto Masaya expressaram surpresa, mas a expressão de Zinon rapidamente se tornou de choque. Como se tivesse provado de um veneno mortal, o brilho nos olhos de Zinon desapareceu e ele entrou imediatamente em estado vegetativo.

Antonia o soltou descuidadamente e se levantou. Ela então se espreguiçou e alongou o seu corpo como alguém prestes a começar a se exercitar.

Masaya estava completamente confuso enquanto observava a garota olhando suas próprias mãos com um sorriso no rosto.

“… O que você fez?”

Ele estava com receio de fazer tal pergunta, mas precisava saber.

“Eh? Ah, isso? Bem, agora você irá lutar contra mim, certo? Mas eu não era uma lutadora, então eu precisava fazer alguma coisa para render uma luta digna, não acha?”

Ela explicou casualmente, mas Masaya ainda não havia juntado os pontos.

“Eu repliquei todos os atributos físicos e características do Zinon em mim, agora eu posso lutar contra você!”

Com um sorriso no rosto, Antonia disse algo surpreendente.

Masaya já sabia que os poderes dela eram relacionados a mente, mas nunca imaginou que algo assim seria possível.

Isso significa que em troca de conseguir os atributos físicos de outra pessoa…

Ela destruiu a mente dele… Essa garota é insana…

Certo. É como se ela sugasse a mente de outra pessoa para ela, uma espécie de refeição.

Isso é ruim…

Com seu dedo indicador, Masaya afrouxou a gravata da sua roupa de guarda-costas.

Mas se eu vencê-la, tudo estará seguro.

“Venha! Vamos brincar!”

Espere só mais um pouco, Ryoka!

Mesmo no estado em que se encontrava, Masaya avançou com todo o vigor para cima de Antonia, atacando o rosto dela diretamente—

Ou era o plano dele, seu ataque foi redirecionado e atingiu apenas o ar.

Essa brusca mudança o deixou totalmente aberto, o que obviamente não seria desperdiçado por Antonia, que socou o peito de Masaya com toda a força, jogando ele em direção ao limite da [Dimensão Reversa].

Masaya ficou sem ar por um momento, tossindo e com a mão no peito. Quando percebeu, Antonia já estava na frente dele o atacando novamente.

Felizmente a velocidade dela era a mesma que a de Zinon, o que permitiu que ele se esquivasse a tempo.

Ataques diretos não funcionam…!

Masaya saltou para trás e pisou no chão com força, levantando um grande pedregulho, do qual ele chutou em direção a Antonia. Ela vinha caminhando casualmente em direção a ele, sem sequer se dar ao trabalho de desviar, ela viu o pedregulho passar direto por ela.

Eu errei?! Não… Droga!

Ele tentou avançar novamente, dessa vez tentando atacá-la por trás, mas o resultado foi o mesmo. Não só isso, Antonia virou seu corpo e atingiu o rosto de Masaya em cheio com um chute.

Ela não precisava ver o ataque, todos os ataques a erravam. Além disso, seu timing era perfeito na hora de contra-atacar, era como se ela previsse o futuro.

Masaya se levantou e colocou a mão no nariz, percebendo que ele estava sangrando.

Não havia tempo para descanso, Antonia já estava correndo em direção a Masaya, pronta para atacá-lo novamente. Quando ele foi desviar mais uma vez, perdeu um pouco do equilíbrio e sua visão ficou embaçada.

Meu corpo está cedendo…

Todo o dano recebido estava o afetando drasticamente. Ele não conseguiu desviar e Antonia não perdeu a chance.

Um soco na barriga, um soco no rosto, um chute no abdômen e outro nas costas. Por alguns segundos Masaya apanhou sem conseguir reagir.

Ela o pegou pelo rosto e bateu sua nuca no chão com toda a força.

Quando o controle do seu corpo voltou ao normal, já era tarde demais. Antonia havia pegado o seu tornozelo e saltado o mais alto que conseguia o carregando. Já no céu, ela atirou Masaya em direção ao solo com toda a força, causando uma grande explosão na área.

Caído de cara no chão, Masaya já estava sem forças para reagir.

“Masaya!!”

Ao levantar a parte superior do seu corpo, ele viu Ryoka correndo em sua direção.

Mas Antonia apareceu diante de Ryoka logo em seguida.

Ryoka!

“Ei.”

Ela falou com Ryoka em um tom bem humorado.

“…”

Ryoka, em choque, não conseguiu responder.

“Você quer salvá-lo, não quer? Vamos fazer um trato.”

Ryoka ficou confusa com o comentário de Antonia. Já Masaya…

Não… Estou com um péssimo pressentimento…! Ryoka…!

Ele estava tentando levantar seu corpo, um dos seus joelhos já estava no chão.

Meu corpo já não me obedece mais direito…

“Eu farei. Se for para salvar o Masaya, eu farei! O que você quer?!”

Não faça isso, Ryoka!

Ele queria gritar, mas não conseguia.

Pela primeira vez, um sorriso maléfico surgiu no rosto de Antonia.

“Venha comigo. Se torne meu pertence e eu pouparei a vida dele. Nós iremos para bem longe daqui.”

“…”

Claramente espantada, Ryoka não conseguiu reagir a proposta de Antonia.

Até Masaya parou de se mover.

“Não se preocupe, não te maltratarei, muito menos te matarei.”

“… Então porque?”

Respirando fundo, Ryoka perguntou as razões de Antonia.

“Hmm? Isso é óbvio, para observar como a mente daquele jovem se quebrará e se reconstruirá hehe.”

Anormal.

A garota era claramente perturbada. Tudo que ela fez, faz e fará é simplesmente para estudar a mente humana.

“Eu…”

Ryoka já estava decidida sobre o que fazer. As palavras que ela ouviu naquele sonho vieram a sua cabeça.

Recuse, Ryoka! Se lutarmos juntos conseguiremos vencer, sem duvidas!

“Tudo bem… Eu aceito.”

Masaya estava incrédulo, sua boca permanentemente aberta.

Por quê?

Por quê…?

É por eu ter sido incapaz de te proteger?

Não… Não é isso…

Ryoka…

“Hehehehe. Trato feito então. Vamos indo?”

As duas deram as costas para Masaya e começaram a andar, se afastando mais e mais.

As lembranças do dia em que viu seu pai sendo levado voltaram a sua cabeça.

Ela está se sacrificando por mim. Para me salvar. Pela justiça que ela acredita.

“PAREM!!”

Dando um forte grito e um violento soco no chão, Masaya forçou as duas a pararem.

Mesmo no limite do limite, ele se levantou mais uma vez.

As duas garotas olharam para ele. Uma com grande interesse, outra com grande tristeza.

“Masaya… Pare, por favor…”

O pedido de Ryoka entrou por um ouvido e saiu por outro. Masaya respirou fundo e gritou…

“Cale-se, Ryoka!”

“Eh?”

De todas as coisas que ela esperava ouvir, essa não estava nem sequer listada.

Com suas roupas sujas e rasgadas, Masaya removeu a sua gravata. Sua blusa já estava aberta, todos os botões já haviam arrebentado durante a luta. Ele só precisava estar o mais confortável possível.

“Eu não dou a mínima para seus ideais ou qualquer que seja a justiça estúpida que você encontrou! Meu trabalho é um e único… Te proteger!”

Conveniência ou não, o papel de guarda-costas que Masaya recebeu de Daisuke veio a calhar no último momento.

“Mas…”

“Não é só meu trabalho! Meus sentimentos também! Você é a coisa mais importante que eu tenho hoje, definitivamente não permitirei que tomem você de mim!”

O rosto de Ryoka corou após tal afirmação, seu coração batia violentamente. O velho conflito entre a lógica e os sentimentos fez Ryoka hesitar.

“Woah! Não esperava um discurso desses!”

Antonia bateu palmas novamente para Masaya e se colocou na frente de Ryoka.

Fuu… Essa gritaria me custou mais energia do que eu esperava. Agora…

A última parede diante de Masaya.

Eu queria dizer algo legal como “mesmo que eu perca meu corpo, jamais permitirei ferir aqueles que amo”, mas eu não posso me sacrificar aqui.

Lutar por minha família, as pessoas mais queridas para mim. Mas ao mesmo tempo lutar por mim mesmo, não é mesmo, mestre?

“Venha, vamos acabar com isso de uma vez!”

Com um sorriso assustador no rosto, Antonia avançou em direção a Masaya.

“Hehehehehehehe”

Antonia começou a atacar Masaya descontroladamente. Ela não tinha com o que se preocupar, afinal.

Masaya estava desviando facilmente de todos os ataques. Mas quanto mais ele esticava a luta, mas difícil de se manter de pé ficava.

“Huh?”

Enquanto tentava atingir Masaya, Antonia viu ele desaparecer completamente da sua vista.

Ele reapareceu alguns metros atrás dela e começou a correr.

Correndo em alta velocidade, ele formou um circulo cujo Antonia era o centro dele.

“Hehh, acha mesmo que isso vai funcionar?”

Antonia parecia bem confiante.

Todo e qualquer ataque eu direcionar a ela será desviado. Após atacá-la por trás eu percebi… Ela consegue manipular o subconsciente, por isso é impossível atingi-la. Não é que o ataque muda de direção, ela nos força a errar nossos próprios ataques…

Nesse caso…

A velocidade de Masaya aumentava mais e mais.

O nível que eu atingi quando derrotei Zinon, preciso alcança-lo novamente… Não, preciso superá-lo!

Quanto mais rápido ele se movia, mais seu corpo doía.

Ele teria no máximo a chance de mais um ataque.

Se o ataque falhar ou não for o bastante para derrotar Antonia, tudo estará acabado.

Mais rápido! Mais rápido! Mais rápido! Mais rápido!

Mais rápido! Mais rápido! Mais rápido! Mais rápido!

AGORA!

O círculo foi quebrado e Masaya avançou com toda velocidade em direção a Antonia.

Ela sequer estava o enxergando. Não era necessário. O ataque de Masaya será desviado pelo próprio subconsciente dele—

Quando Antonia percebeu, ela apenas sentiu a dor se espalhando por todo seu corpo.

Um chute certeiro atingiu o corpo dela.

Ela pode programar nosso subconsciente a nunca atingi-la… Mas ela não pode prever o futuro.

Nossas ações são alteradas sem nós percebermos.

Mas—

Rachaduras se espalharam por toda a dimensão.

Ryoka viu algo de outro mundo. Uma visão impossível.

A dimensão foi destruída na força bruta.

Antonia foi lançada a vários metros de distância. Por grande parte da força ter sido gasta na dimensão em si, ela não foi jogada tão longe.

Mudar nossas ações, ou realizar uma determinada ação, não significa que ela certamente será concretizada.

Se minha velocidade de movimento for alta demais, será impossível mudar o curso do meu ataque.

Entretanto, com grande dificuldade, Antonia se levantou.

Masaya estava perplexo.

“Hehe…”

Não existe mais espaço  para continuar a luta. Masaya está de pé agora, mas se ele se mover mesmo que um centímetro, seu corpo cairá.

“Você se superou. Observar sua mente valeu muito a pena hehe…”

Masaya não sabia o que dizer, então apenas esperou.

“Mas… Não há muita felicidade te esperando adiante.”

Naquele momento, Ryoka havia se aproximado de Masaya e apoiado o corpo dele.

“Vocês dois… Ideais opostos… Talvez vocês não entrem em conflito entre si… Mas sem duvidas entrarão em conflito com a história que estão criando.

Alguém que luta por vários e alguém que luta por poucos lutando juntos só pode terminar em tragédia.”

“…”

Masaya não entendia totalmente o que ela estava falando, mas algo dentro dele o fazia concordar um pouco com ela.

Não é como se ela conhecesse os dois o suficiente para fazer afirmações desse tipo. Mas ele sabia que devido ao poder dela, era bem provável que esses comentários que ela está fazendo sejam baseados em algo que só o poder dela consegue enxergar.

“Eu gostaria de observar a reação de vocês para o que ainda está por vir nos seus futuros, hehehe…”

Antonia então caiu de joelhos e logo em seguida de cara no chão.

“Acabou…”

Todos os ferimentos no corpo de Antonia desapareceram completamente, o mesmo já havia acontecido com Zinon.

Mas Masaya…

“Masaya!”

Usando Ryoka como apoio, Masaya deixou seu corpo cair.

Porque os ferimentos dele não sumiram?!

Por conta da destruição irregular da [Dimensão Reversa], os danos causados em Masaya não foram revertidos.

Aquela batalha. Aquela noite. Definitivamente ficaria marcada no corpo de Masaya para sempre.

 

Após aqueles eventos, Ryoka conseguiu ajuda para carregarem Masaya, Antonia e Zinon.

Quando questionada pelo seu pai, Daisuke, ela inventou uma história dizendo que precisou ir na casa de uma amiga e levou Masaya junto, mas que se distraiu na rua e quando ia ser atropelada, foi salva pelo Masaya que sofreu o atropelamento no lugar dela.

Graças a esses eventos, Daisuke deixou Ryoka ficar com Masaya no hospital ao invés de irem para a festa.

Quando diagnosticado, relataram que Masaya sofreu ferimentos gravíssimos. E que era um milagre ele ter sobrevivido.

No dia seguinte—

“Ei, Ryoka. Acorde.”

“Umm…”

Ryoka foi chamada, depois sacudida. Então foi obrigada a abrir os olhos.

“… M-Masaya?!”

Ela ficou surpresa ao ver Masaya sentado na cama. Ela estava sentada em uma cadeira do lado dele, mas acabou pegando no sono.

“Isso está ficando rotineiro, não acha?”

Masaya se referia a um dos dois desmaiar, e o outro tomar conta.

“Haha… Mas mais importante, você está bem?”

“Hmm, meu corpo ainda dói em todos os lugares, mas sobreviverei.”

Ryoka encarou Masaya firmemente por alguns segundos.

“O que?”

“Você disse que ia se cuidar para não se ferir tanto!”

“Err… Não é como se eu tivesse alguma escolha…”

“…”

“…”

Um silêncio tomou conta do quarto do hospital por algum tempo.

“Ei, Ryoka.”

“Diga…”

“Sei que é egoísta da minha parte, mas quero que você evite o máximo possível usar aquela técnica ocular.”

“…”

[Analyzer]. Uma técnica que talvez seja crucial para mudar o rumo de uma batalha, mas o custo dela não é baixo. Uma técnica contraditória, que concede uma visão poderosa o bastante para ver o futuro, mas também consome a visão lentamente até a pessoa ficar cega.

“… Tudo bem.”

Ryoka aceitou o pedido de Masaya.

Ela não pretende parar de usar a técnica, seria ingenuidade demais. Mas ela ao menos tentará deixá-lo menos preocupado.

Após mais algum tempo com os dois em silêncio…

“Ei, Masaya.”

“Hmm?”

“Sobre aquilo que você disse ontem…”

“”Aquilo”?”

“Sim.. Uhm… Sobre eu ser a pessoa mais importante para você…”

“…”

Ryoka estava totalmente corada, olhando de um canto para o outro.

Uma certa tensão se levantou no local.

“… Eu realmente disse aquilo, não disse? Afinal, você é uma grande amiga!”

A tensão que existia no ar evaporou naquele momento.

“Então era isso que você queria dizer…”

“…”

“… I…”

“I?”

Já tremendo, Ryoka se levantou e pegou o travesseiro da cama.

“IDIOTA!!”

E começou a atacar Masaya.

“Woah! Era uma piada! Espere! Me escute!”

Depois de conseguir acalmar Ryoka.

“Hah, eu estava apenas tentando quebrar a tensão, não precisava reagir daquela forma…”

“Hmph. Não é como se eu me importasse!”

Eu chamo isso de se importar multiplicado por 100…

Respirando fundo, Masaya começou a falar sério.

“O que Antonia falou no final continua na minha cabeça até agora…”

“Masaya…”

“Escute, Ryoka. Eu quero te dizer o que eu sinto direito. Mas quero que seja em um momento onde possamos realmente nos focar nesses sentimentos. Eu quero primeiro terminar essa [Guerra Divina]… Você esperaria até lá?”

Ryoka ficou surpresa, ela não esperava algo tão sincero.

“Hmm, não posso fazer nada, não é mesmo? Irei aceitar esse egoísmo seu, fique agradecido.”

A conversa terminou ali, principalmente porque—

“Masaya!”

Ao ouvir alguém vindo correndo pelo corredor e abrindo a porta violentamente, os dois viram uma figura que não esperavam ver tão cedo.

A única coisa que Masaya conseguiu dizer foi:

“Pai?!”

Suguro correu para abraçar o seu filho, que ainda chocado, o abraçou de volta.

Tudo que foi causado pela Antonia se desfez.

Suguro foi solto e seu nome foi limpo como se fosse a coisa mais normal a se fazer. E Suguro disse que havia “voltado de viagem”, o que Masaya sabia que não era verdade.

De alguma forma a realidade foi remodelada, as memórias de todos os humanos normais envolvidos foram alteradas e tudo voltou ao normal.

E então, os dias de grande felicidade daquelas duas famílias voltaram.

 

 

Voltando ao presente…

O [Zenchi Kūkan: Oujibyoubou] desapareceu lentamente, e logo a [Dimensão Reversa] também.

Ryoka suspirou ao cancelar seus poderes.

“Bom, acho que é isso. Essa é nossa história.”

Seira e Julie estavam impressionadas com o que viram.

“Existem alguns motivos para eu ter decidido mostrar essa história a vocês… O primeiro e mais óbvio, é a confiança e afinidade do nosso grupo. Todo mundo tem uma coisa ou outra que gostaria de esconder, mas creio que conhecer a origem do que somos hoje é algo necessário.”

Após uma leve pausa, Ryoka continuou.

“O segundo é para vocês conhecerem melhor o Masaya. E o terceiro… O terceiro foi mais um experimento.”

“Experimento?”

Julie perguntou enquanto virava a cabeça um pouco para o lado, curiosa.

“Eu precisava testar se minhas capacidades haviam evoluído agora que eu posso controlar o [Reisei], e eu estava certa. Eu posso de fato observar o passado, mas antes eu não era capaz de mostrar o que eu via para os outros.”

“Então isso significa…”

“Exato, Sei-chan. É possível aprimorar nossas técnicas para um nível além usando o controle de [Reisei].”

Em suma. Ryoka quis mostrar para Seira, Julie e Kuroshi que ela confia neles tanto quanto ela confia no Masaya, apresentá-lo para eles e testar as possibilidades do controle de [Reisei].

“Eu tenho algumas ideias de coisas que podemos treinar e gostaria de discutir com vocês em breve.”

Enquanto Ryoka discutia tais assuntos com Seira e Julie, Kuroshi estava em silêncio.

“…”

Passado.

Confiança.

Algumas palavras afetaram Kuroshi da maneira errada.

Diante daquilo, sua mente começou a viajar para longe. Bem longe—

“Se continuar assim, elas irão perceber.”

Com um toque no ombro, Masaya trouxe Kuroshi de volta para a realidade.

“Huh? O que você está fazendo, Kuroshi?”

“Eh?”

A pergunta e o rosto confuso de Masaya deixaram Kuroshi sem saber como reagir.

“Você aumentou seu poder para 20%, não? Seus olhos estão vermelhos.”

“Ah…”

Kuroshi deu um passo para trás.

“Kuroshi?”

“Ahaha… É que eu tinha esquecido que eu precisava ir em um certo lugar, então aumentei meu poder para chegar lá mais rápido. Até mais!”

Praticamente fugindo, Kuroshi se virou e se retirou rapidamente.

“O que aconteceu, Masaya? Porque Kuroshi foi embora sem falar conosco?”

Notando a estranha situação. Seira perguntou.

Masaya pensou em simplesmente falar o que aconteceu de fato, mas algo dizia que era melhor não falar sobre isso por enquanto.

Pensando em uma maneira de livrar Kuroshi sem comprometê-lo, Masaya respondeu:

“Hmm… Dor de barriga, eu acho?”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *